Batismo o Ceia

Batismo o Ceia

BATISMO E CEIA - ORDENANÇAS DE CRISTO JESUS!

TEXTOS BÁSICOS:  Romanos 6: 1 – 14  I Coríntios 11: 23 – 32

 

Batismo

Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações,  batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo
Mateus 28:19

BATISMO – BAPTIZO  “MERGULHAR Em..”

1. Não é um ato de Iniciação.  João 5: 24

2. Não é um ato de lavar, ou limpar os Pecados.  João 15:3 – Efésios 1:7

3. Não confere Salvação à ninguém. Marcos 16:15

4. Não é um Sacramento, isso é não confere a ninguém graça e ou benção especial. Efésios 1:3


PORQUE TENHO QUE ME BATIZAR?

1. É uma ordem de Jesus Cristo. Mateus 28:19; Marcos 16:16.

2. É um Testemunho vivo, sem palavras. Romanos 6: 1 – 11.

3. É uma forma de admissão na Igreja Local. Mateus 16:19.

 

ALGUMAS DÚVIDAS COMUNS!

1. Porque não batizamos crianças? a) Não batizamos crianças pelo simples fato de não existir em nenhuma orientação bíblica a este respeito. b) O batismo é uma ação de fé pessoal e consciente (Mc. 16:16) e não na experiência e fé de outra pessoa. (Romanos 14:12).

2. Porque não batizamos por aspersão? Aspersão e ou Derramamento não tem base nenhuma na exegese da palavra Baptizo. Se o batismo fosse por Aspersão e ou Derramamento, qual a necessidade de ir até um rio, lago etc… (Mateus 3:6 – Atos 8: 36).

CEIA MEMORIAL DE JESUS CRISTO

Ceia

24  e, tendo dado graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”.

25  Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim”.

1 Coríntios 11:24-25

SANTA CEIA

Não encontramos base e nem vemos no NT o uso deste termo “SANTA” em relação a última Ceia de Páscoa de Jesus e seus Discípulos. Ela é utilizada para fortalecer a ideia do Sacramento Eucarístico.

CEIA MEMORIAL

Esta expressão foi utilizada pelo apóstolo Paulo na primeira epístola aos Coríntios. Deve ser realizada em Memoria do Sacrifício Vicário de Jesus Cristo.


Transubstanciação:  Posição do Catolicismo Romano e das Igrejas Ortodoxas Orientais

A Igreja Católica Romana e Ortodoxa ensina que pão e o vinho durante a missa são transubstanciados no Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na consagração permanecem as aparências acidentais de pão e vinho, chamadas de espécies, mas toda a substância do pão é transubstanciada no Corpo de Cristo e toda a substância do vinho é transubstanciada no Sangue de Cristo. Por concomitância, no Corpo está também o Sangue, a Alma e a Divindade de Cristo e no Sangue o Corpo, a Alma e a Divindade do Cristo. Na Igreja Católica Romana considera-se que o momento exato da consagração se dá após o sacerdote pronunciar as palavras de Cristo: “Isto é o meu Corpo” e “Isto é o meu Sangue”. Já nas Igrejas Ortodoxas considera-se que a transmutação se dê no momento após a epíclese (orações em que se invoca o Espírito Santo para converter o pão e o vinho em Corpo e Sangue de Cristo).

 

Consubstanciação: Posição dos Luteranos

As Igrejas Luteranas ensinam que a substância do corpo e do sangue de Cristo une-se a substância do pão e do vinho através da união sacramental. Ensinam que o verdadeiro corpo e sangue de Cristo estão EM, COM e SOB o pão e o vinho. O pão permanece sendo pão, o vinho permanece sendo vinho, mas a toda substância (essência) do pão e do vinho unem-se as substâncias (essências) do verdadeiro corpo e do verdadeiro sangue de Cristo. Esta união (União Sacramental) se dá exclusivamente após a consagração e durante o uso do sacramento: é Pão e Corpo ; é Vinho e Sangue.

 

Presença Real, e ou Mística: Posição Reformada (Calvinista)

As Igrejas Reformadas ensinam a doutrina da “Presença Real”, isto é , Cristo está realmente presente de forma espiritual na ceia. Segundo esta doutrina, o corpo e sangue de Cristo estão no pão e no vinho apenas em sentido sacramental, ou seja, não encontram-se localizados corporal ou espiritualmente nestes elementos. O pão e o vinho oferecidos pelo ministro são sinais visíveis que representam de modo exterior e sacramental o verdadeiro corpo e sangue de Cristo. Ao mesmo tempo, por obra do Espírito Santo, acredita-se que os comungantes recebem, de modo espiritual, através da fé, a verdadeira carne e sangue do Senhor . Assim sendo, o verdadeiro corpo de Cristo não pode ser comidos pela boca. Ele é comunicado espiritualmente ao crente através da fé durante a administração da ceia

 

Memorial: Posição (Zuwingliana) da Ceia.

A Ceia é o símbolo do Sacrifício de Cristo. Não acredita ser realmente o corpo e o sangue porque Jesus disse “fazei isto em memória de mim”. Com base nisso, vemos um ato simbólico: o pão (corpo de Cristo) e o vinho (sangue de Cristo) são celebrados em memória do ato sacrificial de Jesus Cristo. É celebrada normalmente uma ou duas vezes ao mês. Todos os membros que estão em comunhão com a Igreja (batizados em nome do Pai, do Filho de do Espírito Santo) participam, comendo o pão e bebendo o vinho (suco de uva).
A da palavra ‘Memorial’, que significa algo para ser lembrado. Se é para lembrar, o pão não pode ser o corpo nem o vinho (ou suco de uva) o sangue de Cristo.

 

A MENSAGEM DA CEIA NOS APONTAM PARA TRÊS DIREÇÕES:

Para trás, passado: Memorial, histórico (1Co 11:24,26): O pão sem fermento, partido (rasgado), mastigado, lembra o corpo do Cristo, quebrado e moído Is 53. O suco fresco de uva esmagada lembra o Cristo vertendo seu sangue por nós, como o cordeiro imolado na Páscoa Ex 12 ou Nu 9.

Para dentro, interior: Purificador, pessoal (1Co 11:28; Sl 139:23; 1Jo 1:9).

Para frente, futuro: Profético 1Co 11:26 e Mt 26:29.

 

O QUE SIMBOLIZA  A  CEIA MEMORIAL?

1. A Graça de Deus pelo ser humano.

2. A comunhão plena no corpo.

3. A unidade completa do corpo.   ATOS 4: 32 e 33

 

Pr. Jussy Eduardo Costa

Sobre o Autor

Esta informação foi publicada pela Igreja Aba-Pai